Pense na amplidão

Com 28 hectares (280 mil metros quadrados) de encostas, matas nativas, pomares, rio e suas margens, Pedras Rollantes, por sí só, é bastante para agradar exigentes amantes da natureza dentro de seus limites. Mas tem muito mais nos arredores.

A foto de abertura, por exemplo, é no “Soldados do Sebold”, a maior atração natural de Alfredo Wagner e uma das paisagens mais impactantes da Serra Catarinense e do Sul do Brasil, distante uns 30 km daqui.

As três fotos a seguir mostram mostram alguns dos tesouros que Pedras Rollantes guarda com extremo zelo para usufruto de quem vem aqui e compartilha conosco o ideal de uso consciente dos limitados recursos que a natureza disponibilizou para a humanidade.

Lu, Lucy e o Pen Duick vencem a subida até o banco vermelho, no alto do Morro dos Pirilampos. Desde a ponte pênsil, são 950 metros de caminhada pra vencer uma elevação de 100 metros, entre pomares e as matas, nativas e refloretadas.
Esta, de autoria do Daniel Conzi, feita durante a sua primeira visita, mostra a queda d’água próxima aos Estúdios Enxaimel. Ela está totalmente “escondida” pela mata nativa e preservada na encosta da margem direita do Vale do Águas Frias.
O sobrevôo do drone do André Torres sobre Pedras Rollantes mostra a Tieme na ponte pênsil que liga as duas margem do Rio das Águas Frias. Caminhando para a direita, ela cairá dentro de pomares com centenas de árvores de citros orgânicos.

Uma imensidão se descortina do lado de fora da porteira. Se a sua vibe é correr, a Sabrina mostra um circuito de 12 km, com 400 metros de altimetria, com partida e chegada dentro de Pedras Rollantes. Ela usou o trecho como treino para uma das competições que participa regularmente. Mas se você prefere caminhar, a dica da corredora continua valendo. Toque na imagem para ver a lindeza dos lugares por onde ela correu.

Para pedal, então, nem se fala. A foto mostra a Carol e o Felipe na estrada que leva para a Pedra Branca, um total de 20 km de ida desde Pedras Rollantes, passando por Lomba Alta, comunidade que guarda um museu de arqueologia surpreendente. Lá na Pedra Branca é possivel tomar banho bem perto da nascente do Rio das Águas Frias. A volta pode ser pelas mesmas estradas interioranas da ida, ou por Santa Bárbara, trecho que fecha um circuito.

Outro lugar fantástico aqui perto é o Canion do Arroio do Leão, que fica a 6 km de Pedras Rollantes e dá para chegar lá a pé, de bike e até estacionar o carro bem perto da entrada do desfiladeiro.

Mas a dica mais legal é ir até o Soldados do Sebold. Também dá para chegar a pé e de bike, mas se a ideia é ir de carro, precisa ser um 4×4. Dona Rosita e Francesca, a filha, por exemplo, não contam com um carro com tração e, por isto, nós as levamos. E como não estariam dirigindo, abriram um Origem Carménere de nossa carta para harmonizar com o piquenique que faz parte do passeio. Viu que a foto traz o logo da Pousada e a inscrição “Rumo Soldados do Sebold”? É que ela faz parte de uma cobertura fotográfica que presenteamos os hópedes que levamos para passarem uns momentos por lá.

O Vídeo acima mostra nossa ida até o Soldados do Sebold quando fomos reconhecer o trecho e testar as mordomias inclusas no oferecimento do passeio. Assista ao vídeo clicando na imagem. Se quando você fizer a sua reserva também desejar visitar a mais impressionante das atrações de Alfredo, conversaremos sobre como será.

Onde estamos e quem somos

A Pousada faz parte do Sítio Pedras Rollantes, onde também produzimos citros sob condução orgânica certificada. São 28 hectares, ou 280 mil metros quadrados, com apenas cinco unidades autônomas e independentes.

 

A estadia mínima preferencial é de duas noites, os horários são super flexíveis, crianças até 12 anos é grátis, pets são muito bem-vindos e nós entregamos os alimentos para que os hóspedes preparem todas as suas refeições. Elas podem ser feitas tanto nas cozinhas completas de cada uma das unidades como nas cozinhas ao ar livre.

Chegar em Pedras Rollantes é muito fácil. São apenas 100 km entre Florianópolis e Alfredo Wagner, pela rodovia BR 282, estrada ladeada por paisagens de tirar o fôlego. O portão que dá acesso às Casa está a 2,7 km do centrinho da cidade e o dos Estudios, apenas 4,3 km. Ambos os caminhos são estradas boas em qualquer clima e para qualquer tipo de automóvel. É perto do centro e longe do agito.

Eduardo, que recebe nos Estúdios, Lu e Tarcísio, que recebem nas Casas.

Nós moramos aqui e somos nós mesmos que recepcionamos e atendemos os hóspdes nas suas necessidades durante as estadias. O Eduardo mora no andar superior da Casa Enxaimel e recebe quem vem para os Estúdios. A Lu e o Tarcísio, que moram na casa verde que está na foto anterior, recebem e cuidam de quem vem para ficar em uma das Casas

“Pense em Pedras Rollantes quando pensar… ”

nas estrelas
no friozinho
nas Clemenules
num vinho
nas crianças
nos pets
nos amigos
num rio
na amplidão
no trabalho remoto
em tudo isto e mais um pouco

Navegue por todo o site:

As Casas – Os Estúdios – Delicatesse – TV Pedras Rollantes – O Sítio – Contato

Até breve